GovBR
Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a busca Ir para o rodapé

Informamos que devido ao grande número de acessos aos serviços online da prefeitura, os mesmos poderão ficar instáveis ou indisponíveis.

Inicio Notícias Garanhuns / 87% das Escolas da Rede Municipal não têm condições de retorno às aulas presenciais

Notícias

Garanhuns / 87% das Escolas da Rede Municipal não têm condições de retorno às aulas presenciais

Graves problemas de infraestrutura comprometem a segurança de professores e estudantes [...]Leia mais...

Publicado em

Desde o mês de janeiro deste ano, o engenheiro da Secretaria de Educação, Artur Toté, tem percorrido as escolas e feito levantamento das necessidades de infraestrutura dos prédios da Rede Municipal de Ensino de Garanhuns e seus Distritos, mas tem encontrado bem mais do que a simples necessidade de pequenos reparos.

Foram constatadas graves e inúmeras irregularidades em quase todos os prédios, a exemplo das Escolas Monsenhor Callou e Gabriela Mistral, onde na primeira já houve desabamento parcial, ocorrido na última quarta-feira (07), e a segunda encontra-se na iminência de desabamento, inclusive escoradas com troncos de madeira em toda copa, sala de aula e no depósito das merendas, entre outras enormes rachaduras.

Nas demais escolas os problemas foram praticamente os mesmos, como instalações elétricas expostas e inadequadas (alto risco de incêndio), muros caindo, piso de salas de aulas afundando, forros de PVC e gessos das salas caindo, e com as chuvas desses últimos dias, constantes alagamentos, que apontam o descaso das gestões anteriores, que culminaram na total falta de segurança em termos de infraestrutura para o retorno presencial do professores e estudantes às escolas.

Diante desse cenário, o prefeito Sivaldo Albino e a secretária de educação, Wilza Vitorino vêm traçando estratégias para realocar os estudantes dessas escolas que não estão aptas a receber os estudantes, para outras unidades escolares, a exemplo da Escola Letácio Brito, Aesga e UPE, as quais disponibilizam salas para atender provisoriamente aos professores e estudantes. “Até que possamos estar com nossos processos licitatórios finalizados e aptos a comprar todo material necessário para garantir a estrutura que os nossos estudantes precisam, estaremos tomando medidas paliativas, para que nenhum aluno da nossa rede seja prejudicado”, explica Sivaldo.

Fotos: Thomas Ravelly
Texto: Mayara Carrilho

Redimensionar Fonte
Contraste