GovBR
Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a busca Ir para o rodapé

Informamos que devido ao grande número de acessos aos serviços online da prefeitura, os mesmos poderão ficar instáveis ou indisponíveis.

Inicio Notícias 1200 cestas básicas são entregues mensalmente pela Prefeitura de Garanhuns

Notícias

1200 cestas básicas são entregues mensalmente pela Prefeitura de Garanhuns

Donativos fazem parte dos Benefícios Eventuais da Assistência Social e são entregues às famílias que se encontram em vulnerabilidade social [...]Leia mais...

Publicado em

A Prefeitura de Garanhuns, por meio da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos (SASDH), cumpre regularmente a entrega de Benefícios Eventuais. No município, 1200 cestas básicas são entregues mensalmente às famílias cadastradas nos Centros de Referência em Assistência Social (Cras). Outros benefícios são repassados de acordo com a necessidade de cada cidadão assistido pelas centros.

Diferente das cestas básicas de caráter emergencial, entregues em ações pontuais durante a pandemia, os benefícios eventuais acompanham a realidade das famílias mais carentes da cidade em todos os meses. De acordo com a secretária Eliane Madeira, os Centros de Referência identificam as pessoas que possuem maior necessidade de receber os benefícios: “Cada situação é única, então, quando recebemos a notificação de cidadãos em situação de vulnerabilidade, as equipes dos Cras fazem uma visita técnica e, a partir daí, encaminham para que suas necessidades sejam atendidas. O prefeito Sivaldo Albino mantém o compromisso mensal do seu governo nessa distribuição, acompanhando a entrega regular, além das mais de oito mil cestas de caráter emergencial que já foram repassadas este ano”.

É importante que a população compreenda que a medida é uma ação de proteção social de natureza temporária, que tem o intuito de prevenir e promover o enfrentamento de situações provisórias que possam fragilizar a constituição familiar. Para ter direito ao benefício, o cidadão deve estar cadastrado no Cras de seu respectivo bairro.

Ainda de acordo com a SASDH, existe um perfil socioeconômico exigido pelo Governo Federal para que a população receba os donativos de forma regular, mas os municípios tem a liberdade de identificar caso a caso: “Situações de perdas inesperadas como falta de emprego, moradia, entre outros acontecimentos que exigem sensibilidade por parte do poder público são observadas de perto. As pessoas que realmente necessitam receber os alimentos são identificadas e acompanhadas previamente pelos assistentes sociais”, reforça Eliane Madeira.

Foto: Thomas Ravelly
Arte: Lucas Monteiro

Redimensionar Fonte
Contraste