GovBR
Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a busca Ir para o rodapé

Informamos que devido ao grande número de acessos aos serviços online da prefeitura, os mesmos poderão ficar instáveis ou indisponíveis.

Inicio Mulher Policiais civis e militares participam de formação para acolhimento de mulheres vítimas de violência

Mulher

Policiais civis e militares participam de formação para acolhimento de mulheres vítimas de violência

A iniciativa é da Secretaria Municipal da Mulher em parceria com a Câmara Técnica de Enfrentamento à Violência contra a Mulher por DANIELA BATISTA 13 de março de 2018 A Secretaria Municipal da Mulher, em parceria com a Câmara Técnica...

Publicado em

A iniciativa é da Secretaria Municipal da Mulher em parceria com a Câmara Técnica de Enfrentamento à Violência contra a Mulher

por DANIELA BATISTA
13 de março de 2018

A Secretaria Municipal da Mulher, em parceria com a Câmara Técnica de Enfrentamento à Violência contra a Mulher, está promovendo uma formação para policiais civis e militares na manhã e tarde desta terça-feira (13). O momento é realizado no auditório da Autarquia de Ensino Superior de Garanhuns (Aesga) e tem a participação da instrutora de Violência Doméstica da Academia de Polícia e delegada da Mulher de Vitória de Santo Antão, Bruna Falcão.

O curso é direcionado a policiais militares do 9º Batalhão de Polícia Militar e a delegados, escrivães e agentes da 18ª Área Integrada de Segurança (AIS), que abrange 20 municípios da região e tem Garanhuns como cidade polo. “A Câmara Técnica de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher busca realizar ações repressivas, preventivas e educativas sobre a violência de gênero. Diante dessa formação, nós vamos mudar o atendimento às mulheres vítimas de violência aqui na AIS 18 e aperfeiçoar ainda mais esse processo”, explicou o delegado Luiz Bernardo Moraes, da 18ª Delegacia Seccional de Garanhuns (18ª Desec).

A secretária da Mulher, Walkíria Alves, ressaltou a importância de realizar formações como essa. “A lei Maria da Penha é muito importante mas não tem força para mudar toda uma cultura que está entranhada na nossa criação, no que a gente percebe o que é certo e errado. É muito difícil transformar isso, mas realizar essas formações é o primeiro passo para que as mulheres sejam acolhidas nos organismos de justiça de forma correta”, explica.

Fotos: Daniela Batista – Secom/PMG

Redimensionar Fonte
Contraste