GovBR
Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a busca Ir para o rodapé

Informamos que devido ao grande número de acessos aos serviços online da prefeitura, os mesmos poderão ficar instáveis ou indisponíveis.

Inicio Desenvolvimento Econômico Garanhuns é reconhecida como cidade inteligente por entidade internacional

Desenvolvimento Econômico

Garanhuns é reconhecida como cidade inteligente por entidade internacional

Município está entre os 114 selecionados em 23 países que trabalham juntos por uma cidade inteligente  9 de Junho de 2017 por GABRIELA RAMOS edição EDMÉA UBIRAJARA Garanhuns foi incluída na lista das novas cidades que fazem parte da OASC...

Publicado em

Município está entre os 114 selecionados em 23 países que trabalham juntos por uma cidade inteligente

 9 de Junho de 2017

por GABRIELA RAMOS
edição EDMÉA UBIRAJARA

Garanhuns foi incluída na lista das novas cidades que fazem parte da OASC (Open & Agile Smart Cities). Isso significa que estão sendo desenvolvidas localmente atividades que beneficiam as pessoas através de práticas inovadoras. Ao lado da Cidade das Flores, estão Frederikstad e Gjesdal da Noruega, Ipswich e Logan da Austrália, Carouge e Genebra, da Suíça. No Brasil, Cuiabá (MT), Parnamirim (RN) e Recife (PE) também fazem parte da relação. Ao todo, são 114 cidades de 23 países.

Fazer parte da OASC significa que estas cidades trabalham juntas enquanto compartilham as melhores práticas e moldam os fundamentos tecnológicos dos benefícios econômicos e sociais que as cidades inteligentes globais podem oferecer. Juntamente com os membros atuais, essas novas cidades trazem uma riqueza de conhecimento da cidade inteligente e atividades concretas para a rede. O anúncio das cidades que fazem parte da chamada ‘sexta onda’, na qual foram incluídas estas novas cidades, foi realizado no dia 7 de junho durante a Semana da Internet das Coisas, em Genebra, na Suíça.

De acordo com José Augusto Branco, gerente de Tecnologia da Informação, o conceito de cidades inteligentes é específico. “É preciso ter tecnologias sendo utilizadas para beneficiar as pessoas e que as pessoas também pensem a cidade, por isso o papel acadêmico e da OASC”, finalizou José Augusto.

Imagem: Divulgação

Redimensionar Fonte
Contraste