GovBR
Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a busca Ir para o rodapé

Informamos que devido ao grande número de acessos aos serviços online da prefeitura, os mesmos poderão ficar instáveis ou indisponíveis.

Inicio Saúde Garanhuns apresenta redução no índice de infestação do mosquito Aedes Aegypti

Saúde

Garanhuns apresenta redução no índice de infestação do mosquito Aedes Aegypti

De acordo com levantamento feito pela Secretaria Municipal de Saúde, o percentual de infestação predial é 1,4% menor comparado ao mesmo período do ano passado por AQUILLES SOARES A Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Programa Municipal de Combate...

Publicado em

De acordo com levantamento feito pela Secretaria Municipal de Saúde, o percentual de infestação predial é 1,4% menor comparado ao mesmo período do ano passado

por AQUILLES SOARES

A Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Programa Municipal de Combate à Dengue (PNCD-GUS), divulgou os números do Levantamento de Índice Rápido de Infestação Predial do Aedes Aegypti (LIRAa). O índice geral de 7,9% aponta que houve uma redução no percentual de infestação na cidade. Este número segue uma tendência de decréscimo anual, apresentando um percentual expressivamente menor do que o obtido no ano passado, quando o índice foi de 9,3% registrado no primeiro LIRAa. Os números estão ligados à quantidade de larvas do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, febre chikungunya e zika vírus, encontrados em pesquisa amostral.

Levando em consideração os resultados atingidos, a expectativa é de que ocorra uma reversão à níveis que garantam a segurança da população de Garanhuns com relação às doenças. Além disso, os números comprovam a eficácia do combate ao mosquito através do trabalho desenvolvido pelos agentes de endemias e de toda equipe engajada. Apesar dos bons resultados em relação às pesquisas anteriores, algumas localidades apresentaram um índice de infestação expressivo, como os bairros de Heliópolis, com 12,5% e São José, com 9,3%.

Com o objetivo de reduzir esse percentual, o setor de epidemiologia segue alinhado com a Assistência Básica e com as demais unidades de saúde públicas e privadas para, sempre que necessário, acionar a Diretoria de Vigilância em Saúde e a Coordenação do Programa de Combate à Dengue visando providenciar medidas de bloqueio caso comecem a surgir novos casos destas viroses, principalmente com o uso dos equipamentos de Ultra Baixo Volume (UBV) costais — bombas costais motorizadas que servem para a aplicação de substâncias inseticidas.

Outra estratégia desenvolvida para evitar a proliferação do agente transmissor é a distribuição de peixes ornamentais da espécie Poecilia reticulata, conhecidos como “guppy” ou “barrigudinho”. Para isso, foram construídos dois tanques criatórios, que já estão povoados com os primeiros reprodutores e matrizes, todos em fase de ampla reprodução. Estes peixes serão estrategicamente distribuídos para a comunidade para serem colocados em caixas d’água desprovidas de tampas, bem como tonéis, tanques e outros depósitos que estejam na mesma situação.

O secretário de Saúde, Alfredo de Gois, orienta que sabendo-se que mais de 90% dos focos encontram-se dentro dos domicílios, é essencial que a população continue engajada no combate ao Aedes, eliminando os ambientes propícios para a multiplicação do mosquito. Principalmente em períodos associados ao aumento da temperatura e a possibilidade de acúmulo de águas decorrentes das chuvas de verão. “Começamos este ano com um índice favorável em relação ao ano passado, o que mostra que estamos no caminho certo. Ainda assim, vamos continuar intensificando a atuação dos agentes de endemias, sempre em parceria com os outros órgãos de combate à dengue e com a população, tendo o objetivo de reduzir ao máximo a incidência destes casos em nosso município”, afirma.


Foto: Arquivo – Secom/PMG
Data: 25/01/2017
Atendimento à imprensa:
(87) 3762.0109

Redimensionar Fonte
Contraste